Tags

, , ,

Há muitos anos, em uma galáxia não muito distante, havia um planeta que orbitava a estrela amarela chamada Sol. Naquela época, em um dos países daquele planeta, conhecido como Terra de Santa Cruz, as crianças eram criadas pelos pais, que as educavam e as sustentavam com o suor de seu trabalho.

As conquistas do povo da Terra de Santa Cruz não foram fáceis de conseguir. O povo batalhou muito e domou até um monstro, um dragão conhecido pelo nome de inflação

As crianças, ao irem para a escola, aprendiam que só a educação poderia elevá-las, fazê-las subir na escala social, por meio do trabalho honesto, do estudo e de relações sociais onde a mentira não tinha lugar. Os mestres daquele país eram respeitados pelos estudantes, mesmo que não tivessem um salário dos mais dignos, e ensinavam a seus alunos que, a cada direito, corresponde um dever.

A Terra de Santa Cruz cresceu, sua população passou dos 200 milhões e entre as conquistas daquele país o fato de estar entre as nações em desenvolvimento e as dez maiores economias do planeta azul, também conhecido como Terra.

As conquistas do povo da Terra de Santa Cruz não foram fáceis de conseguir. O povo batalhou muito e domou até um monstro, um dragão conhecido pelo nome de inflação, o qual devorava os recursos dos trabalhadores, deixando aquele povo sem ter como poupar recursos para garantir o futuro de seus filhos.

Depois da derrota do monstro, o país viveu um período de crescimento e desenvolvimento econômico e conseguiu até que um operário fosse eleito presidente da República, de tal forma estava arraigada a democracia na Terra de Santa Cruz.

O operário-presidente, à semelhança do Prometeu da mitologia grega, que para ajudar os seres humanos a enfrentar os perigos existentes quando o mundo foi criado, lhes deu o fogo, também ofereceu benefícios aos habitantes da Terra de Santa Cruz, como bolsas de variada natureza as quais garantiam aos mais humildes e aos mais espertos, desde remédios, até dinheiro, mesmo que a pessoa não trabalhasse.

O país era muito respeitado entre outras nações do planeta azul pela prática de um esporte conhecido como futebol, também era reconhecido por ser um grande produtor de grãos e exportá-los, assim como o minério de ferro, que ia até para a China. A Terra de Santa Cruz chegou a ser a oitava economia daquele planeta e ter uma empresa de energia, que produzia óleo, cotada entre as maiores daquele mundo situado na periferia da Via Láctea.

Mas o operário-presidente só podia ter dois mandatos e foi aí que ele, para manter as benesses conquistadas pelos mais espertos membros de seu governo e de seu partido, também à semelhança do mito grego que criou Pandora como a primeira mulher do mundo, o dirigente conseguiu eleger a primeira mulher presidente na Terra de Santa Cruz e, por tê-la eleito para dirigir o país, também lhe deu a missão de proteger os quarenta, digo, os ministros, dirigentes partidários e outros nomes daquele país que agora detinham grandes fortunas.

Foi então que uma entidade conhecida como PF inventou uma tal de operação Lava Jato para limpar o país. Essa operação, mais uma vez e em harmonia com o mito grego, mostrou que a gestão do operário-presidente abrira o que se pode chamar de caixa de Pandora, pois males que antes tinham sido erradicados do país como a inflação, o desemprego, o declínio da indústria e da atividade econômica, voltaram a fazer vítimas entre a população.

Nesse tempo, a entidade PF também descobriu que a maior empresa estatal da Terra de Santa Cruz, apelidada pelos partidários do presidente-operário de “Pátria Educadora”, mesmo sem destinar muitos recursos para esse objetivo, tinha sido fraudada e estava em vias de sumir do mapa, desempregando mais de 12 mil pessoas, a engrossar o contingente de 10 milhões de sem-emprego já existentes.

Os cidadãos mais idosos da Terra de Santa Cruz dizem até hoje, muito, muito tempo depois, que a calamidade responsável pelo declínio daquele país é um monstro que ataca empresários e políticos de alto escalão e conhecida, desde há muito, pelo nome de corrupção, embora não se tenha inventado vacina segura para combatê-la.

Por fim, cabe registrar que a primeira presidente da Terra de Santa Cruz, que tem como data preferida o 1º de abril, também foi eleita pela imprensa internacional como a líder mais decepcionante do mundo.

Publicação no Jornal do Commercio e Portal do Holanda em 12/04/2016
Anúncios