Tags

, , ,

os-dois-oilNaquele 19 de fevereiro de 2015, dois dias depois do Carnaval, os jornais de Manaus noticiavam dois assassinatos os quais, ao contrário dos que acontecem nos Estados Unidos, que são em série, por aqui eles são fora de série.

Se o motivo e causa de um dos assassinatos são contumazes, reincidentes, isto é, briga por causa de mulher, o mesmo não se pode dizer das “armas” usadas pelos assassinos para acabar com a vida humana. Tudo por causa de um par de chifres recém-plantados.

Chifre, já foi dito há muito tempo, é coisa que alguém bota na cabeça de outro, o qual, além de ter que usar tão infame adorno que nasceu lá pelo tempo dos gregos, é o último a saber do enfeite.

Sobre traição e chifres pode-se dizer que em algumas cidades da Grécia antiga, conforme Artemidoro, havia leis para punir o marido traído: ele era obrigado a andar pelas ruas usando um chapéu com chifres.

Os gregos, se pode inferir, já eram cornos há muito tempo e, ao contrário dos latinos por aqui, puniam o corno, mas levavam na galhofa. Afinal, se foi traído, a culpa é dele.

Feitos tão necessários esclarecimentos vamos aos fatos. A notícia de jornal contava o assassinato de um homem, na segunda-feira de Carnaval, em um bairro da zona Oeste de Manaus. A vítima, James Cornualha, chegou a um bloco de carnaval com uma mulher, Dulcineia, a Cobiçada, e ficou enciumado quando viu Don Juan batendo o maior papo com a bela, que alguns dizem nem era  tanto assim.

O irmão de Don Juan, Don Marco, afirma que Cornualha estava com arma de fogo e a teria sacado quando viu Juan conversando com Dulcineia. Briga apartada, Cornualha foi comprar cerveja e os dois irmãos o seguiram, o pegaram e espancaram com um pedaço de pau. Como se não bastasse, Don Marco atirou um vaso de plantas na cabeça de Cornualha.

Sobre Dulcineia, pouco se conhece, pois nem a polícia sabia quem era, mas Cornualha, além de ter os brios destruídos, teve sua plantação de chifres assassinada, assim como ele próprio, por uma “arma” que deveria justamente abrigar e proteger as plantas: um vaso.

Por fim, e já que estamos falando de tanta sofrência, cabe informar ao leitor alguns tipos de corno mais sofridos, digo, mais conhecidos: o ioiô, é o corno que vai e volta. Corno frio, é aquele que leva chifre e não esquenta, corno manso é o que evita confusão com o ‘sócio’ e, por fim, o corno churrasco. Esse põe a mão no fogo pela fidelidade da mulher. Ah, coitado!

Pois é, coitado vem de coito, logo…

Publicação no Portal do Holanda em 22/03/2015

Anúncios