Tags

, , ,

As informações divulgadas pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) referentes aos indicadores industriais do mês de fevereiro deste ano mostram que a baixa no faturamento é só um dos fatores que o Polo Industrial de Manaus (PIM) vai ter que enfrentar em 2015.

Para se ter uma ideia de como a atividade da indústria local está sendo afetada por fatores macroeconômicos, um bom exemplo é a desvalorização do real ante o dólar norte-americano. Nos meses cujos dados foram divulgados, o dólar se valorizou mais de 18%. Como já se sabe que até abril a moeda vai ultrapassar os R$ 3, o impacto deve ser ainda maior nos próximos meses.

Se o histórico dos principais custos da indústria incentivada, entre 2010 e 2014 estava situado na faixa de 56% em relação ao faturamento, com exceção do ano de 2013, quando esse indicador subiu para 58%, nos dois meses deste ano atingiram uma fatia bem maior do faturamento do PIM e chegaram em 64%.

Ao se considerar a importação de insumos pelas indústrias, a queda, medida pelos valores de aquisição em dólares, foi de 26,42%, quando atingiu o montante de US$ 1,78 bilhão, no acumulado de janeiro e fevereiro deste ano, contra US$ 2,41 bilhões no ano anterior. Mesmo assim cabe registrar que o valor da aquisição de insumos importados nestes dois meses de 2015 estão acima do valor de 2013, quando foi de US$ 1,67 bilhão.

As notícias ruins, no entanto, só estão começando. O faturamento do polo de Manaus, no mês de fevereiro, medido em dólar, desabou exatos 27,39% na comparação com igual mês de 2014.

esse mau desempenho significa que as indústrias incentivadas de Manaus deixaram de vender mais de US$ 850 milhões no mês de fevereiro, quando o faturamento atingiu US$ 2,26 bilhões, ante US$ 3,11 bilhões no mesmo período de 2014.

Na curva descendente do faturamento de 2015, o acumulado dos dois meses indica perda de vendas no montante de US$ 1,18 bilhão, representando perda de vendas de 20,28%, uma vez que, no bimestre, o faturamento foi de US$ 4,66 bilhões contra os US$ 5,84 vendidos pelas empresa do polo de Manaus nos dois primeiros meses de 2014.

A questão do emprego, conforme dados da Suframa, também não está nada boa. No mês de fevereiro foram eliminadas 76 vagas no PIM, no entanto, quando a comparação é feita entre fevereiro de 2015 e de 2014, a constatação é de que, entre os dois períodos, foram eliminados nada menos que 11.284 postos de trabalho.

Isso significa que as vagas vêm sendo eliminadas nos últimos 12 meses e, ao que parece, é uma tendência que vai se manter por tempo indefinido ao se levar em consideração a questão macroeconômica do país, onde as más notícias brotam de todos cantos e não apenas na área econômica.

Por fim, cabe rever as expectativas para o exercício de 2015 que começam, digamos assim, pela subida do dólar, passa pela tendência de ascenção da taxa Selic, fator que vai aumentar os juros e repercutir no custo do crédito, o qual, se voltado para o consumo, já está bem restrito e deve ficar mais ainda, sem falar que investimentos também vão se retrair em decorrência desse fator.

Como se vê, as previsões negras feitas em 2014 para o presente exercício, ao contrário dos discursos otimistas na campanha eleitoral da presidente reeleita, estão, para infelicidade geral do país, se tornando fatos e quem vai pagar o pato é o cidadão, o contribuinte.

Publicação no Jornal do Commercio e Portal do Holanda 28/04/2015

Anúncios