Tags

, , ,

Os dois bebiam e, às sextas-feiras, era sagrada a rodada de amigos para tomar umas geladas, bater um papo e, obviamente, namorar, como o fazem os jovens e aqueles nem tanto.

Namorar é coisa séria e a seriedade pode ser avaliada pelas consequências que podem resultar desse tipo de relacionamento. Há algumas décadas, o namoro quase sempre terminava no altar, a menos que um dos dois encontrasse outro par, então começava tudo do zero.

Mas namoro exige um começo e isto pode acontecer nos locais e situações mais improváveis, embora, por regra, os ambientes onde mais acontecem sejam as escolas e o local de trabalho, o que não elimina as festas e entre elas, a mais brasileira de todas: o Carnaval.

O Carnaval se sobressai por dois motivos quando se trata de namoro. O primeiro é que, como geralmente acontece em fevereiro e a festa é muito, ou permissiva até demais, é o marco inicial para o mês que tem o maior número de nascimentos no Brasil: novembro.

A segunda e não menos grave consequência das festas carnavalescas é o que acontece depois que todo mundo tomou “todas”, mesmo deixando de lado a violência de alguns, que finda por estragar a festa.

Assim, se beber, não namore. Se namorar e tiver bebido durante o Carnaval, não dirija e, neste caso, além do perigo de provocar acidentes têm outras implicações mais graves como aquele casal que foi para o sambódromo desfilar pela escola de coração e, pra variar, tomaram todas antes e depois desfile.

Assim, como tinham ido no carro dele, o namorado foi deixar a moça em casa, não tão longe, ali no bairro São Geraldo, zona Centro-Sul de Manaus.

Minutos depois de saírem do sambódromo estavam na rua onde ficava a casa da jovem e se iniciaram as despedidas com os beijos e amassos de praxe e ainda mais quentes, pois, lembremo-nos, ambos tinham tomado algumas geladas para animar a festa.

O carro do rapaz, em início de carreira, era um básico e, assim, não tinha ar condicionado, motivo pelo qual os vidros das portas estavam meio abertos. Quando a sessão de carinho esfriou, os dois findaram por cochilar.

Acordaram com ela dizendo: “Ai amor, faz mais, tá tão gostoso!”  E ele, sobressaltado: “Mas não fiz nada…” um tropel e um homem saiu correndo do lado do passageiro.

Pois é, de bêbado, não tem dono, mesmo.

Publicação no Portal do Holanda em 19/03/2015

Anúncios